URGENTE! Ocupação Mauá – 230 famílias serão despejadas dia 15 de abril (SP)

Por Ocupação Mauá

Ocupação-Mauá_Frente-de-Luta-por-MoradiaFoi decidido que no dia 15 de abril de 2014 ocorrerá o despejo das 230 famílias que vivem na Ocupação Mauá, que irá completar 7 anos no dia 25 de março de 2014.

Em reunião hoje, 13 de março, às 10h no Batalhão da Av. Rio Branco, para organização da ação da polícia o tema era logística: como iriam tirar as mais de mil pessoas que vivem ali, sem absolutamente nenhum questionamento de onde elas seriam levadas, o que ocorreria com as crianças que estão na escola, etc. O prazo dado é de 32 dias a contar de hoje.

O prédio, localizado na Rua Mauá nº 340, é particular e os proprietários não pagam o IPTU desde 1973, acumulando uma dívida de quase R$ 2,5 milhões.

“Ficamos sabendo da liminar de reintegração por meio da intimação que chegou na ocupação para a reunião no batalhão, há cerca de uma semana atrás.” Ivanete Araújo, coordenadora na Ocupação Mauá.

A liminar de despejo que estava suspensa pelo agravo feito pela defensora pública Ana Bueno que acompanha o caso desde 2012, foi julgado, sem que a Defensoria nem mesmo tenha sido intimada a comparecer ao julgamento – o que seria o procedimento normal.

A justificativa do Juiz para retomar a liminar de despejo que estava suspensa foi com base nas irregularidades constatadas por meio de um laudo do corpo de bombeiros. Nem a Defensoria Pública tampouco os moradores da Mauá foram informados que o laudo seria realizado e menos ainda sobre o resultado – portanto, nenhum bombeiro entrou na ocupação para realizar o tal laudo; e ainda que tivessem entrado, os moradores, deveriam ser informados dos possíveis fatores de risco e assim conseguirem regularizar a situação em tempo hábil para ter o direito de defesa.

A ocupação teve o DIS – Decreto de Interesse Social – decretado pela Prefeitura já na gestão Haddad, que ainda não entrou com o pedido de desapropriação do prédio.

O pedido de extensão do prazo de 30 para 60 dias foi negado pelo Batalhão, que justificou que estavam apenas cumprindo ordens e que somente o juiz poderia estender esse prazo.

Na reunião, as representantes da Secretaria de Habitação da Prefeitura de São Paulo, afirmaram que a Prefeitura tem interesse em transformar a Mauá em Habitação Social e que isso ainda não foi realizado devido a trâmites burocráticos e que possuem, inclusive, a verba que será destinada à desapropriação do imóvel. Afirmaram ainda que de todas as formas, as famílias têm o direito de serem atendidas e por isso solicitaram 60 dias para o cadastramento das famílias – o que também foi negado.

A Subprefeitura da Sé, Conselho Tutelar e a Defensoria Pública também pediram o aumento do prazo para o despejo, tendo em vista que não haviam sido informados do julgamento (ocorrido em novembro de 2013) e que crianças em idade escolar não seriam realocadas, mas despejadas, portanto, indo para a rua, porém o pedido foi novamente negado.

A única solução para a permanência das famílias na Ocupação é que a Prefeitura se manifeste nesses próximos dias para desapropriar o imóvel. Do contrário, os 7 anos de luta e as famílias serão despejados no mês de abril.

Anúncios

, , , , , ,

  1. #1 por RAFAEL OLIVEIRA em 01/09/2014 - 16:07

    Olá sou líder comunitário e obtenho de uma ocupação a mais de quatro anos na Cidade de MAUÁ..SP e sei o quanto na maioria das vezes somos considerados pela maioria dos politicos como criminoso mas não descansarei continuarei a minha luta e darei a todo meu publico o seu direito de moradia

    Rafa Oliveira
    011-99819-0393

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: