Sem teto protestam em frente à Companhia de Habitação de São Paulo (SP)

(Divulgação | Original em Brasil de Fato)

O movimento reivindica o repasse de verba prevista para o andamento de obras executadas em parceria com o governo federal

Flávia Albuquerque,

Agência Brasil

Cerca de 300 militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), de acordo com a Polícia Militar, fizeram uma manifestação nesta quinta-feira (21) em frente ao prédio da Companhia de Habitação e Desenvolvimento Urbano (CDHU) para cobrar do órgão providências para o cumprimento de acordos firmados com o movimento. O movimento reivindica o repasse de verba prevista para o andamento de obras executadas em parceria com o governo federal, pelo Programa Minha Casa, Minha Vida. Parte do grupo chegou a ocupar o saguão do prédio.

De acordo com uma das representantes do MTST, Jussara Bastos dos Santos, o grupo reclama o valor previsto para a construção de 850 casas no Jardim Salete, em Taboão da Serra, na região metropolitana de São Paulo. “Nós dependemos da assinatura de um contrato pelo presidente da CDHU, Antonio Carlos do Amaral Filho. O trabalho de terraplanagem está feito, começamos o trabalho de fundação, mas dependemos da assinatura desse contrato”.

Jussara explicou que as unidades serão construídas por meio do Minha Casa, Minha Vida Entidades, criado pelo governo federal em 2009 para dar acesso à moradia às famílias organizadas por meio de cooperativas habitacionais. Podem participar famílias com renda mensal de até R$ 1.600. A cooperativa fica responsável por gerir a obra. “Estamos dependendo da assinatura para que a Caixa repasse a verba para a continuidade da obra. Esse valor será devolvido quando as famílias começarem a pagar as prestações”.

A CDHU informou, por meio de nota, que uma comissão dos manifestantes foi recebida pelo secretário-adjunto da Habitação, Marcos Penido, e pelo diretor-presidente da CDHU, Antonio Carlos do Amaral Filho, que esclareceram ao movimento que não houve e nem haverá descumprimento dos acordos firmados.

“Trata-se de uma modelagem inédita de parceria para a produção de moradias que envolve os governos federal e estadual, além do próprio movimento. Em contato telefônico com líderes do movimento na data de ontem, o secretário-adjunto da Habitação, Marcos Penido, já havia esclarecido o estágio dos trâmites e assegurado que em dois dias as pendências para assinatura do contrato em questão estariam resolvidas. Porém, lamentavelmente ocorreu na data de hoje a ocupação tumultuada do saguão de entrada de um edifício de administração do Governo do Estado”.

Segundo a CDHU, o MTST já vem sendo atendido pelo órgão em projetos habitacionais nos municípios de Taboão da Serra e Itapecerica da Serra. Além disso, famílias indicadas pelo movimento recebem auxílio-moradia até que tenham uma habitação definitiva. “A CDHU reafirma que mantém um diálogo aberto com todos os movimentos de moradias do estado, com os quais já desenvolve diversos projetos para atender as demandas apresentadas pelas entidades”.

Foto: Marcelo Camargo/ABr

Anúncios

, , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: