(Fotos) Os bebês do Acampamento São João (SP)

(Divulgação | Original em FLM)


Edsandra José Herculano, 29 anos com sua bebê Eduarda e Rafaela de 5 anos. Chegou da maternidade com Eduarda neste domingo. Edsandra é diarista e seu companheiro vigia. Desde que sua família foi jogada na rua pela canetada do juiz, os filhos de 13, 11 e 8 anos foram mandados para a casa da vó. Ela, o companheiro e agora duas menores continuam sob a lona que ferve em dia de sol, congela nos dias frios e não abriga da chuva.

Eduarda não é o único bebê. na próxima foto, abaixo, Vitória  que nasceu na ocupação e passou pelo despejo com sua mãe,  Kátia Gonçalves Bandeira.

Outra brasileirinha acampada é a pequena Rayanni, 2 meses, filha da Crislaine Gabriel na terceira foto.

Finalmente depois de 30 dias acampados, sujeitados a todo tipo de violações, nas calçadas da rica cidade de São Paulo, a secretaria da Habitação nos chamou para uma reunião, onde esperamos discutir uma solução habitacional para resolver a grave situação das famílias. Será nesta segunda-feira, 1º de Outubro, às 16 horas, com Nanci Cavalette Diretora de Habi-Centro. Rua São Bento 495 – 11º.

Têm sido noites e noites dormindo na rua e a prefeitura calada. Mas a solidariedade que temos recebido emociona e encoraja. As doações tem ajudado a nos manter e a solidariedade coloca nosso espinhaço de pé, restaura a dignidade de quem foi jogado na rua com seus filhos. Restaura as forças pra lutar por nosso direito de morar. Trabalhamos, pagamos impostos e temos direitos. Não queremos morar de graça, queremos programas habitacionais com prestações que sejam compatíveis com os salários pagos aos trabalhadores que constroem esta cidade e o país. Queremos atitude dos administradores desta cidade. Estamos aqui na calçada enquanto inúmeros prédios ficam vazios por 5, 10, 20, 30 anos. Seus “donos” nem o IPTU pagam, ficam esperando o melhor momento para negociar e ganhar muito dinheiro. Moradia é direito garantido na Constituição.

Por parte da prefeitura, até o momento, só pressão da GCM. E a Secretaria Municipal da habitação está bem à nossa frente. Frio e garoa. Lona e madeirite é a política habitacional para os pobres de São Paulo. Trabalhadores que constroem esta cidade com o suor de seus rostos mas têm renda menor que três salários mínimos, alguns nem dois. Dar comida aos filhos ou pagar aluguel?

As famílias sem-teto da Ocupação Ipiranga, 908, foram colocadas na rua  dia  28/08. O prédio esteve abandonado por mais de 5 anos.

Em reunião dia 27/08, com representantes da Secretaria Municipal da Habitação, SEHAB/COHAB a única promessa era fazer cadastramento das famílias e vagas em albergues. Levar as famílias para albergues seria tirar as crianças da escola e seus pais dos empregos, é retroceder na dignidade humana conquistada por estas famílias.  Nem aos menos a providência de um alojamento para abrigar as famílias para impedir que elas fiquem ao relento e protegê-las de todo tipo de violência que estarão expostas na rua  foi oferecido.

Osmar Silva Borges – Coordenador da FLM – telefone: 11 9 83028197

CARTA ABERTA

QUE TRISTEZA

O Judiciário ordena que as forças armadas joguem na rua famílias sem-teto. E os governantes assistindo de camarote a violação dos direitos das crianças, mulheres, idosos e adultos.

São 217 famílias  hoje residentes na Av. Ipiranga, 908,  e Av. São João 588, prédios antes abandonados. Todos esses pais e mães de família já estão trabalhando e têm os filhos na escola, nas imediações.

Serão obrigados pela força a desocupar  propriedade totalmente fora da lei. Não cumprem a função social. Seus pretensos proprietários não exercem o domínio definido pelo Código Civil. Desrespeitam o meio ambiente e mesmo assim, vergonhosamente  o Judiciário e demais autoridades protegem os fora da lei.

Por outro lado, o direito das crianças, dos idosos, mulheres, trabalhadores que constroem essa cidade com o suor de seus rostos está sendo violentamente desrespeitado. Não se observa princípios elementares de nosso Estado Democrático de Direito, como a dignidade da pessoa humana, a proteção da criança, o direito à moradia, conquistas da civilização moderna. E joga-se ao relento as famílias.

Não aceitamos esses desmandos ilegais. Precisamos restabelecer a ordem de respeito às pessoas. Queremos continuar morando onde estamos. Caso contrário vamos nos acomodar no meio da rua.

FRENTE DE LUTA POR MORADIA

Osmar Silva Borges – Coordenador da FLM – telefone: 11 9 83028197

Anúncios

, , , , , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: